Colunista Anderson Gregório Joaquim

Exercício Físico e Saúde
Anderson Gregorio Joaquim
- Mestrando em Ciências - FMRP – USP
- Formado em Educação Física e Esportes pela EEFERP - USP
- Possui Licenciatura Plena em Educação Física pela UNAERP

 

Atualmente, vivemos em uma era onde o trabalho acompanha muitas pessoas durante as 24 horas do dia. Chegamos até escutar que o dia precisaria ter 30 horas para que as tarefas fossem cumpridas. 

Muitos destes aspectos, com certeza tem contribuído para que muitas pessoas tenha o grau de preocupação aumentada. Junto a isso, o stress é um aliado que traz problemas com o sono, aumentando a chance de insônia. 

A falta de sono desregula nosso organismo, levando a piora do metabolismo da glicose e risco de obesidade (SPIEGEL et al., 2009). Além disso, a falta de sono afeta o sistema nervoso parassimpático (freia o trabalho das células como um todo), aumentando a chance de eventos cardíacos (GRIMALDI et al. 2016). 

Logo, a qualidade de vida destas pessoas fica muito prejudicada, tornando imprescindível o oferecimento de um tratamento com qualidade. Será que realizar exercício poderia colaborar para a melhoria desse quadro de insônia? 

Para desvendar isso, Yang et al. (2012) realizaram uma metanálise (análise com estatística de vários estudos) onde, após seleção criteriosa de inúmeros estudos, incluíram 305 homens e mulheres (48 a 72 anos), que realizaram treinos aeróbio ou treinos resistido por mais de 10 semanas.  

A intensidade dos treinos foi em moderada intensidade, e indiretamente pelo Índice global de qualidade do sono (PSQI - questionário), as pessoas que realizaram exercício, melhoraram a qualidade do sono, reduziram a latência (tempo para atingir o sono) e a quantia de medicamentos para dormir. 

Apenas em 1 dos estudos utilizaram a polisonografia e os resultados foram semelhantes ao PSQI. Entretanto, o exercício não foi eficaz em melhorar a duração, eficiência e outros distúrbios do sono. Isto estaria relacionado mais com as mudanças de comportamento das pessoas. 

Isso demonstra que o exercício físico traz benefícios (mesmo que moderados), para a população, principalmente com mais idade. Temos nas mãos uma ferramenta que pode ajudar muitas pessoas, mas para ela funcionar, é necessário que demos o nosso melhor, para 1° cuidarmos de nós mesmos e assim cuidar e transformar a vida dos outros.

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook