Colunista Anderson Gregório Joaquim

Exercício Físico e Saúde
Anderson Gregorio Joaquim
- Mestrando em Ciências - FMRP – USP
- Formado em Educação Física e Esportes pela EEFERP - USP
- Possui Licenciatura Plena em Educação Física pela UNAERP

 

Com os avanços em todas as áreas atualmente, isso tem permitido que qualquer pessoa saiba da importância do exercício físico. Segundo pesquisa do Ministério do Esporte em 2015, constatou-se que ~50,4% das mulheres e ~41,2% dos homens são sedentários em nosso país. 

Ao perguntar se tinham consciência dos riscos do sedentarismo, todos responderam que sim, porém, 69,8% destas pessoas relataram não ter tempo para o exercício por motivos de estudos, trabalho e família. 

Ficamos pensando: porque fazemos o que fazemos? Neste caso, porque muitos não se exercitam? Seria falta de gosto, prioridade, importância, etc? Não sabemos ao certo. Talvez muitos não enxerguem sentido e o quanto poderia auxiliar a vivenciar mais e melhor aquilo que ama fazer... Enfim... O que sabemos é que através do treinamento físico, a nossa fisiologia muda e se adapta positivamente. Um exemplo está na função vascular. 

A todo momento nossas artérias se contraem e relaxam. As artérias possuem uma parede interna (ENDOTÉLIO) que produz o principal agente vasodilatador, o óxido nítrico (NO). Este NO age no músculo liso das artérias prevenindo a aterosclerose (placa de gordura). Consequentemente, um vaso sanguíneo integro e menos rígido, reduz o risco de hipertensão, infarto do miocárdio e AVC (acidente vascular cerebral). 

Estudos demonstraram que não exercitar as pernas por exemplo, resulta em menor capacidade de relaxamento arterial, o que aumenta a pressão arterial e risco de trombose. Um dos testes para avaliação é o FMD (Dilatação Mediada por Fluxo sanguíneo), onde verifica-se a hiperemia, ou seja, capacidade de dilatação arterial após breve período de oclusão do fluxo de sangue. 

Esse aumento do fluxo sanguíneo conhecido também como shear stress (em inglês), gera uma força de cisalhamento no endotélio. E durante o exercício principalmente com uso de grande massa muscular, o shear stress estimula o reticulo endoplasmático do ENDOTÉLIO liberar o cálcio, na qual se liga à calmodulina e agora sim estimula a enzima eNOS (óxido nítrico sintase) a enzima que produz o NO.  

Uma alimentação balanceada é essencial pois, esse mecanismo é dependente de ARGININA, Ácido Fólico e Cálcio. Este NO juntamente com o aumento da luz do vaso (diâmetro) e sua distensibilidade (complacência arterial) que o exercício promove, gera mais saúde cardiovascular. Não precisamos que todos gostem de se exercitar, precisamos mostrar para elas, que tais mudanças permitem elas viverem e fazerem mais e melhor aquilo que se tanto amam fazerem na vida.

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook