Colunista Anderson Gregório Joaquim

Exercício Físico e Saúde
Anderson Gregorio Joaquim
- Mestrando em Ciências - FMRP – USP
- Formado em Educação Física e Esportes pela EEFERP - USP
- Possui Licenciatura Plena em Educação Física pela UNAERP

 

Para uma gravidez saudável, também é recomendado exercitar-se!Por muito tempo a gravidez era sinônimo de estado de confinamento para as mulheres, onde elas não podiam fazer nada, muito menos esforço físico. Acreditava-se que a mulher grávida ao fazer exercício, colocaria o feto em stress e risco de morte, devido a maior chance de nascimento prematuro. 

O grupo de pesquisadores Di Mascio et al. (2016), realizaram uma análise de inúmeros estudos que contemplou 2.059 gestantes de 1 filho. Um dos principais resultados foi que as mulheres que realizavam exercício na gravidez, tinha menor chance de parto prematuro. Além do mais, essas mulheres tinham menos indicação de cesariana, menor incidência de diabetes gestacional, hipertensão e seus bebês não nasceram com menos peso comparados aos bebês das mulheres que não treinavam. 

É necessária muita atenção profissional, pois nesta fase da mulher ocorrem muitas mudanças psicofisiológicas, socioculturais e comportamentais. O débito cardíaco, peso corporal, hormônios femininos estrogênios, gasto calórico, tudo aumenta; e a sensibilidade, empatia, amor e desejos também! 

Apesar destas transformações, os pesquisadores Perales, Artal e Lucia (2017), trazem um ponto de vista que o exercício para as gestantes só deveria ser desencorajado, caso elas apresentassem sangramento vaginal, dispneia antes do exercício, dores de cabeça e no peito, contrações uterinas regulares e dolorosas, tonturas, vazamento da placenta, entre outros transtornos graves. 

Desde que o profissional se atente para controlar a temperatura, hidratação, alimentação, evitar exercício de barriga para cima no 1° trimestre, evitar sessões longas de treino, exercício balísticos e atividades de impacto e contato, a prática só trará benefícios e segurança para a vida da mãe e futuro filho(a). 

E não poderia ficar sem falar do que mais incomoda as gestantes: o ganho de peso (o engordar) e a angustia se irá emagrecer ou não após dada à luz. Todas elas sabem que poderão aumentar o peso em ~9 a 14 quilos. Isso é normal acontecer e será normal ocorrer a perda de peso após um tempo que a criança veio ao mundo. 

Em uma revisão extensa de Muktabhant et al (2015), foi observado em 24 estudos que envolveram 7.096 gestantes, que tanto a realização de exercício físico ou alimentação consciente de qualidade (boa dieta), reduziu em ~20% o ganho de peso corporal excessivo. Então futuras mamis, se já fazem exercício, ou se decidiram iniciar (desde que sem complicações), vocês só terão a ganhar com a prática regular dos exercícios, sejam dinâmicos ou resistidos! 

Procure um profissional capacitado para te atender e te propiciar esses benefícios. Não deixe para amanhã!

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook