O papo de hoje não é sobre estilo. Nem sobre consumo consciente. Mas é sobre a vida.
Vou contar um pouco do livro Quando Deus não é Suficiente.
Ficou intrigado com o título? Então cola neste texto para saber qual é

coluna claudia 944Na última sexta-feira tive o prazer de participar do lançamento do livro Quando Deus não é Suficiente, da Lica Campolim. Ela não é itapevense, mas adotou a cidade como sua já há alguns anos. O livro conta a trajetória que ela vivenciou com o filho Júlio, que faleceu há dois anos após enfrentar uma dura batalha contra a leucemia.

O lançamento aconteceu no auditório da Câmara Municipal e eu duvido que um, um serzinho se quer dos presentes tenha se privado de derramar lágrimas. Foi emocionante {sem ser apelativo}. Quando Júlio estava doente a cidade toda acompanhou o movimento criado pelos amigos, o #forcajulio. A Lica contou que durante as 24 horas que permaneceu ao lado do filho escrevia para desabafar, organizar sentimentos e ideias. E são esses textos, saídos do fundo do coração despedaçado de uma mãe, que foram compartilhados no livro.

Mas você ainda deve estar intrigado com o título, certo? Lica perdeu sua fé em Deus? Brigou ou renegou Deus? A dor profunda nos faz perder a esperança ou ter ainda mais força para lutar? Essas são algumas das reflexões que Lica propõe em seus textos.

“O Senhor é bom e continua sendo bom, mesmo que eu não consiga ver essa bondade por causa das dificuldades. Eu não vejo bondade porque meu conceito de bondade não coincide com a Palavra. Defino como bom, algo que me traz alegria, me satisfaz e vem ao encontro dos meus desejos. Fica fácil dizer que Deus é bom nessas circunstâncias, mas quando estamos no meio da provação, diante da morte, da doença, do tratamento, dizer que Deus é bom fica muito difícil... Como achar que tudo isso faz parte da bondade de Deus? Meu coração torce, distorce, inverte, perverte... Ver o sofrimento como algo bom me arranca a razão... Eu passei os últimos 20 anos aprendendo a bondade de Deus e confesso que minha aprendizagem foi muito insuficiente. Não conheci muito. Acreditava ter tido muitas experiências com Ele. Mas diante do diagnóstico de todos os dias, de todos os sustos, medos, angústias, vitórias, derrotas, alegrias e tristezas, percebi que eu conhecia muito pouco de Deus. Sinto que meu chão ruiu. Todas as minhas certezas evaporaram. O que é ruim para mim faz parte da bondade de Deus? Mas Deus continua sendo bom, mesmo assim, apesar de mim. Essa bondade indescritível, quase incrível, não possui definição, nem possibilidade de descrição. Acima de pensamentos, raciocínios, filosofias, teses e experiências. Acima de tudo e acima de todos, ser bom é um de Seus atributos. Ser bom é divino.” (Trecho resumido do livro Quando Deus não é Suficiente – pág 68/69).

Não, Lica não perdeu a sua fé. Ela disse que a intenção ao compartilhar sua história era abrir uma porta no coração das pessoas. Li o livro em apenas um dia para te dar a certeza de que a cada página você pode abrir portões. Construir e destruir muros de reflexões sobre você, seus propósitos, sua relação com seus filhos e com Deus. O que é impossível mesmo é ficar indiferente a essa experiência tão parecida com a de tantas outras famílias que enfrentaram a mesma luta (#forcaRafa #forcaStelinha #forcaPepito). É transformar uma trajetória tão dolorosa em uma oportunidade de aprendizado para todos nós.

Encontrei a Lica dia desses e contei que quando pegava o livro para ler pegava junto uma caixa de lenço. Com um sorriso no rosto e segurando minhas mãos ela respondeu “É o mesmo choro que derramei ao escrever”. Missão cumprida Dona Lica. A emoção transborda e faz abrir o coração.

O livro esta à venda no Cantinho da Paz por R$ 25,00. Parte da renda será doada para uma instituição de tratamento contra o câncer.

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook