O papo de hoje é bem sério. É do tipo: “senta que lá vem a história”. É quase um sermão de mãe. Mas é muito, muito importante que você leia e PRATIQUE!

claudia 958Outubro começa cor de rosa. Vários veículos de comunicação, milhares de perfis das redes sociais vão falar sobre a importância da realização de exames para a prevenção de câncer de mama e também de colo de útero. Mas a pergunta que não pode se calar é: quantas dessas mulheres, que compartilham a informação sobre o “outubro rosa”, fazem – de fato – seus exames preventivos?

A gente tem mesmo essa mania de adiar os cuidados com a saúde, seja por falta de grana ou por falta de tempo. Quando o corpo está bonitinho por fora, não nos preocupamos muito com o que está acontecendo lá dentro. Isso é perigoso. Existem muitas doenças silenciosas, inclusive o câncer, e esse é o principal motivo pelo qual não devemos esperar a dor chegar para cuidar da saúde. Os exames estão ai para isso e devem ser realizados anualmente (ou de acordo com orientação médica).

Segundo dados do INCA – Instituto Nacional do Câncer – somente no Brasil, em 2016, a estimativa foi 57.960 novos casos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,20 casos a cada 100 mil mulheres. O câncer de mama é o tipo que possui a maior incidência e a maior mortalidade na população feminina em todo o mundo, tanto em países em desenvolvimento, quanto em países desenvolvidos. Por isso, o papo é tão sério. É uma coisa bem chata de se conversar, mas precisamos refletir sobre isso.

De nada adianta a gente gastar boa parte da nossa grana para deixar o cabelo bonito, a pele sem rugas e luminosa e o look atualizado se a nossa saúde – que é o mais importante disso tudo – não estiver bem cuidada. E cuidar da saúde também é cuidar das emoções. Os médicos são categóricos em dizer que não se pode afirmar que as emoções e o câncer estão relacionados. No entanto, algumas pesquisas mostram que os sentimentos podem ser um fator importante no desenvolvimento da doença. Alguns estudos nessa linha estão publicados no livro “Psico-Oncologia: Caminhos e Perspectivas”, organizado pela psicóloga Carmen Maria Bueno Neme, pesquisadora na área da saúde e desenvolvimento humano da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Bauru.

Segundo ela, o estresse é atualmente reconhecido por seus efeitos imunodepressores e potencialmente relevantes para a gênese das neoplasias malignas (nome científico do câncer). “As pessoas interpretam e enfrentam os fatores de estresse de forma diversa e podem prolongar ou não sua exposição a esses fatores. Como consequência, pode manter ou não profundas alterações psicofisiológicas desencadeadas, como a imunodepressão." E conclui: “Hoje já sabemos que a maioria das doenças é multideterminada e que há uma confluência de fatores (genéticos, biológicos, psicológicos, ambientais, alimentares, de comportamentos e hábitos, etc.) envolvidos em seu surgimento”.

Então, pelo sim ou pelo não, vigie suas emoções e pensamentos. Consulte seu médico regularmente e faça seus exames preventivos. De nada adianta a gente pintar as redes sociais de rosa sem ter feito na prática o dever de casa; o que é necessário. Eu já fiz os meus exames neste ano. E você?

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook