O tempo está andando na velocidade da luz. Doidera total. Parece que ontem era janeiro, mas olha ai o ano acabando de novo. Nesta semana fui olhar a minha listinha de realizações propostas para este ano e... até que fiquei feliz. E a sua listinha, como está?

claudia 961Janeiro aconteceu ontem. Parece que dormimos e acordamos em julho. E agora nos damos conta de que já era: 2017 tem só dois meses pela frente. E se você ainda não se deu conta, já tem gente vendendo panetone. Está na hora de olhar para a listinha de “promessas” e correr atrás do preju, antes que 2018 chegue como um vendaval emendando uma promessa mal sucedida na outra.

Eu confesso que fiquei feliz ao revisar a minha lista de metas pessoais e profissionais, fiz quase tudo. Mas ainda tem muita coisa que eu quero realizar até o final desse ano. Mas preciso confessar que isso só foi possível porque eu mudei de atitude. Parei de procrastinar.

Procrastinação, segundo o Wikipédia, é o adiamento de uma ação. “Para a pessoa que está a procrastinar, isso resulta em stress, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com as suas responsabilidades e compromissos. Embora a procrastinação seja considerada normal, torna-se um problema quando impede o funcionamento normal das ações”, diz o Wikipédia.

Eu parei de deixar para depois meus sonhos, meus projetos e todas as desculpas que me faziam empurrar a minha lista com a barriga, desde as metas de vida e dos projetos profissionais, aos cuidados comigo mesma. Arregacei as mangas e botei pra funcionar.

É tão louco, que parece que quanto mais coisas eu tenho para fazer, mais eu dou conta de tudo. O tempo passa a ser tão valioso, que não se pode desperdiçar nada. Assim, neste ano eu fiz novos cursos (presenciais e online), li vários livros, assumi uma nova profissão, continuei firme na academia, cuidei da minha família e me permiti ser cuidada.

Neste momento, estou reavaliando e focando no que ainda pode ser feito. No que fará a maior diferença na minha vida. E já decidi: escolhi uma última meta e vou focar nela pelos próximos meses e também separando algumas coisinhas menores que podem ser cumpridas a cada dia.

Estou te contando isso porque achei que era uma oportunidade pra te convidar a fazer esse exercício comigo. Pode nem ser uma meta grande, pode ser uma coisa pequenininha. O que está aí há tanto tempo que você tem até vergonha de dizer que ainda não cumpriu? Que vontades você sempre promete que vai tentar colocar em prática, mas sempre deixa pra depois? O que dá pra riscar da lista deste ano que já foi cumprida? Pense nisso!

A premissa é verdadeira: não deixe para depois o que você pode fazer hoje!

Bom final de semana.

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook