Fabiano Santos

Manuscritos de Ideias

Fabiano Santos
Nascido em Itapeva/SP, Fabiano Santos é formado em Letras, com habilitação em Língua Portuguesa e Inglesa, Pedagogia e especialista em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Estrangeira. Atua como professor efetivo nas redes Municipal e Estadual. Autor do livro de poesias, “Amoresias”, adora escrever sobre temas atuais da sociedade.

Já disseram que as melhores pessoas são as loucas, insanas, dementes, desvairadas; são as que expressam seus sentimentos na pele, nas marcas de suas histórias pessoais e no imaginário criado por elas, dentro do qual afloram no mesmo instante todas as emoções desesperadas. A loucura é admirável; todos deveriam tomar essa poção mágica que permite enxergar o mundo mais distorcido.

Nesses últimos meses, acompanhei a bela loucura de uma querida amiga, Maria Campos, que lançará seu segundo livro intitulado “Mariando (Dona Doida) – Crônicas & contos”, pela editora Multifoco. Ela é o exemplo do quanto ser louco faz bem para a saúde mental, transforma os “normais” em sábios, criativos, talentosos, espiritualmente ligados com a verdadeira beleza humana: o pensamento.

Maria nasceu em Itapeva no dia 18 de agosto de 1965; construiu uma linha do tempo traçada com tristezas, tragédias, encantos, vitórias e muita poesia. De origem humilde, seus pais tiveram, além dela, mais quatro filhos, a qual só uma ainda é viva. Desde muito jovem teve que assumir responsabilidades, sendo obrigada pela vida a amadurecer brutalmente, mesmo assim, a loucura ainda estava sempre ao seu lado. Mãe de quatro filhos, é exemplo de dedicação, carinho e amor.

O gosto pela leitura e escrita surgiu na infância, através de sua irmã Jandira (In Memoriam), que trabalhou por muitos anos na Editora Abril Cultural, costurando livros, onde a mesma apresentou-lhe os contos de fadas. Maria cursou faculdade de Letras, ministrou aulas na rede municipal, criou peças teatrais, contribuiu para o desenvolvimento intelectual e emocional de centenas de crianças e adolescentes.

De humor incomparável, afinal, a loucura é um mal necessário para todas as bipolaridades que possam surgir no decorrer de uma prosa, ela colhe sorrisos com suas piadas, mesmo que a alma às vezes sangre e grite por socorro. Maria já conseguiu extrair de mim uma felicidade quando eu precisava apenas pular de um penhasco em busca de solução; nunca lhe contei isso, mas agora exponho nessas palavras, o eterno agradecimento pelo consolo implícito que suas palavras trouxeram. Tornei-me louco quando segui seus conselhos, e pular do penhasco passou a ser uma oportunidade de voar.

A loucura de Maria é contagiante, é tão fácil e agradável amá-la, ilumina todos os cantos que passa e transborda felicidade. Ela é uma constante antítese, uma descida sem freios, um mergulho sem máscara; a voz de uma louca por palavras, rimas, versos, parágrafos e livros. E que essa insanidade aumente; que possa ser compartilhada e absorvida por novos discípulos, pois ser louco é ser feliz.

Para encerrar, citarei a poesia “Poetisa” do meu livro “Amoresias”, a qual foi escrita para Maria: “Ela é a dona das palavras. Não ouso imitá-la ou clonar pensamentos. De alma única, o sorriso que esconde montanhas, criações poéticas, feridas jamais fechadas, amores roubados, marcas de caneta na pele, versos infinitos. Bendito o dom da poesia. Bendito o fruto das suas ideias. Bendita inspiração”.

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook