aar santa maria 943Trabalho realizado com crianças e adolescentes visando a formação de cidadãos de bem é realizado com falta de material e infraestrutura

Que o esporte é uma das ferramentas essenciais para ajudar a formar cidadãos de bens isso não se discute, ainda mais quanto abrange comunidades onde crianças e adolescentes vivem em situação de vulnerabilidade constante.

Em Itapeva, a Vila Santa Maria é um exemplo dessas comunidades, porém, um projeto da Associação Atlética Recreativa da Vila Santa Maria (A.A.R.V.S.M) procura dar aos jovens do bairro uma nova perspectiva de vida através do esporte, no entanto, a precariedade estrutural acaba sendo um obstáculo a mais nesse trabalho realizado.

Falta de material esportivo e de local adequado para os treinos realizados com atletas de 07 a 16 anos são algumas das dificuldades encontradas. De acordo com o responsável pelo treino com os jovens da Vila Santa Maria, Rodrigo Gomes Rodrigues o projeto conta com apenas uma bola em condições de uso e que o pouco material que tem para realizar os treinamentos foram conseguidos através de doações dos comerciantes da vila e alguns que comprou do próprio bolso.

Ao acompanhar um treino dos jovens nossa equipe flagrou os atletas disputando espaço com mato alto, entulhos, galinhas e cachorros, alguns dos jovens com os pés descalços e correndo risco de se machucar ao cair no chão duro de terra.

Em entrevista, Rodrigo falou sobre as condições de treino e pediu para que os responsáveis pelo esporte itapevense voltem seu olhar para a Vila Santa Maria e o trabalho realizado com os jovens do bairro. Confira:

IN- Quantos jovens participam desse projeto?

Rodrigo- Estamos com 60 meninos treinando conosco atualmente, com menino de sete anos até os 16 anos.

IN- Quais as dificuldades que vocês encontram para tocar esse projeto?

Rodrigo- Primeiramente queríamos uma ajuda da Secretaria de Esportes com material esportivo, arrumar o nosso campo que está em condições críticas, pois precisamos de uma ajuda para tocar o projeto, fazemos um serviço comunitário, mas também trabalhamos, então precisamos de auxílio para tocar o projeto para frente, pois a intenção é tirar esses guris da rua e criar um cidadão de bem primeiro e depois se “vingar” no futebol vai indo em frente.

IN- Quanto aos materiais que estão usando, qual a situação deles no momento?

Rodrigo- Na verdade estamos com uma bola só para fazer todo esse trabalho, precisamos de mais materiais esportivos como bola, cone, colete, bola de futebol de salão, pois não temos isso, temos que nos virar com que temos aqui, a ajuda ao projeto vem de minha esposa e eu, de alguns bares da vila aqui que nos dão uma ajuda para continuar com o time, não podemos parar e precisamos de material.

IN- Como que você classifica as condições do campo para treino?

Rodrigo- Está complicado, tem menino de sete anos que vai correr aí e encontra mato do seu tamanho, precisamos que arrumem nosso campo, de pelo menos arrumem uma máquina que deixe o campo no terrão. Tínhamos um campo lá atrás da vila que era de terrão e ai nos tiraram de lá falando que iriam fazer uma pracinha e colocaram nós aqui e até agora não deram um jeito no campo, como vou colocar sessenta meninos para treinar no meio do mato do jeito que está aqui.

IN- Além do material esportivo o que mais vocês sonham em ter para dar a esses jovens um treino digno e que dê esperança a esses jovens?

Rodrigo- Eu já ficaria feliz se viesse uma ajuda em material e arrumar o campo, pois eu trabalho, então não estou pedindo para mim e sim em nome da Associação Atlética Recreativa da Vila Santa Maria que é um projeto nosso para cuidar de sessenta meninos que eu falo que estão abandonados pelo esporte mesmo, pois até agora a secretaria (Esporte) não veio no nosso campo ver o projeto, ficaram de vir e até agora nada.

IN- Esses jovens vão disputar algum campeonato esse ano?

Rodrigo- Agora eles estão treinando para disputar o amadorzinho que vai começar, mas já disputamos no ano passado alguns campeonatos e eles chegaram em duas semifinais do salão e graças a Deus eles estão no caminho certo, pois se não abrirmos o caminho do bem, eles vão para o caminho errado e esse é o projeto nosso, primeiro tirar eles da rua, de fazer coisa errada e abrir outra visão de vida para eles.

IN- Outra preocupação é quanto ao entorno do campo, que preocupação é essa?

Rodrigo- Nossa preocupação é que entre a vila e o campo tem uma estrada e temos o temor de algum acidente já que é constante a passagem de criança de um lado para o outro, e peço a instalação de placa ou lombada para que os carros não passem rápido aqui, é perigosa a situação, estamos dando treino aqui e sempre tem um menino passando de um lado para o outro e fica perigoso, pedimos um olhar nessa questão também.

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook