Nota 10

Depois de contratempo provocado pelo atraso na entrega de documentação, a Secretaria Municipal de Saúde informa que o atendimento aos moradores do Bairro da Caputera foi normalizado. A estratégia da gestão da secretária Maria Elisa Ferrarezi é aprimorar a relação entre a comunidade e os profissionais da área de Saúde que atuam na zona rural. Isso é o que chamamos de humanização. Parabéns!

Trabalho sério

A nomeação do Dr. Sandro Palmonari veio em boa hora foi saudada com festa pelos moradores. E como já dissemos aqui, isso também é resultado de vários requerimentos feitos pela vereadora Vanessa Guari (PMDB), que vem fazendo um excelente trabalho, não só em relação aos projetos apresentados mas de fiscalização do Poder Executivo, exatamente como deve ser o mandato do vereador. Uma surpresa extremamente agradável que mostra ser possível fiscalizar e não ficar como alguns “veteranos” que só enviam pedidos de placas ou operação tapa buracos.

Protesto

Uma moradora do Jardim Iracema, um pequeno bairro localizado em frente ao casarão da Fazenda Pilão D’água, fez uso da Tribuna da Câmara para cobrar ações da Prefeitura em relação à falta de lajotas e manutenção das ruas. “Desde 2014, os moradores pagam o IPTU e aguardam as ações da Prefeitura”, disse ela. Eis um problema de fácil solução. Já deu pra sentir que a Prefeitura retomou com força o programa de pavimentação e tapa-buracos. Ainda há muito o que fazer, mas já é o começo que esperamos seja com maior agilidade.

Polêmico

A chegada do projeto de lei 67/2017, de autoria do Executivo, que trata da terceirização do serviço de o gerenciamento, operação e exploração do Aterro Sanitário do município, acirrou os ânimos na Câmara. O assunto é complexo haja vista que o município argumenta que está sem dinheiro para contratar novas despesas. Isso vai dar pano pra manga e o assunto promete render e muito. O projeto segundo assessoria do prefeito é autorizativo e não para execução imediata. Mas, se não é para já qual o porquê de levar adiante?

Soy contra

Alexsander Franson (PMDB) subiu à Tribuna para manifestar que é contra a terceirização e defendeu que o projeto seja votado em plenário de forma nominal. “Hoje chegou à Câmara um projeto que autoriza o município a contratar empresa visando exploração do aterro sanitário. Eu sou relator do projeto e já me posicionei contrário. Defendo que esse projeto venha a Plenário”. Já se sabe que não será fácil esse projeto avançar sem que se esgotem todos os argumentos favoráveis e contrários. Há um cálculo prevendo que o município terá de desembolsar cerca de R$ 1 milhão mensais, isso em plena crise econômica. Com o voto em aberto veremos quem é quem na ordem do dia. Que o aterro é urgentíssimo isso ninguém discute, mas os nobres edis devem se informar muito antes de votar.

Interesses

E continua o vereador Franson. “Parece que o Executivo quer terceirizar todos os serviços do município. Agora que Itapeva conseguiu a devida autorização para a instalação do aterro vem o Executivo defender que o serviço seja terceirizado. Isso é competência do município”. Há muita coisa envolvida que não nos cabe dizer aqui. Mas como diz o nome da coluna, Estamos de Olho. Quando veremos ações públicas que não sejam com o uso de grandes somas em dinheiro? Será que criatividade não está mais em moda?

Relator

Defensor do projeto de terceirização do aterro, o presidente Oziel Pires (PTB) pediu aparte para questionar o custo que esse serviço traria ao município. “Com relação ao aterro sanitário, o senhor tem uma relação dos custos que ele traria no caso do município arcar com o serviço?”. Em resposta, Franson, que preside da Comissão de Obras, Serviços Públicos e Atividades Privadas afirmou que está solicitando a informação. Isso é estritamente necessário antes de um pré-julgamento, mas que precisa se tornar público isto precisa. E o presidente sabe quais são os custos para defender o projeto?

Prioridades

Sobre o edital de licitação envolvendo a compra de tubos pela Prefeitura, Franson relatou um caso em que a Secretaria de Saúde se negou a comprar um medicamento para determinado paciente alegando que não havia dinheiro. “Se o prefeito fez uma licitação (para compra de tubos) de R$ 700 mil não o fez por brincadeira. E se tem esse dinheiro também deve ter para a compra de remédio. Então vamos fazer as coisas básicas em primeiro lugar”. É preciso separar as coisas. A saúde deve ser vista como prioridade absoluta, mas a população também tem o direito de exigir outras melhorias. Por isso a compra de tubos também se faz necessária. Toda ação deve ser visando o munícipe e isso só acontece quando os poderes constituídos agem conjuntamente.

Protagonismo

Não canso de dizer que o vereador Alexsander se tornou a principal voz da Câmara até agora. Não tem medo de expressar sua opinião e mostra que não está nem aí para os tapinhas nas costas. Sobre o humor dos itapevenses com a administração atual disse o seguinte: “Vamos reativar o Posto Veterinário, vamos liberar a Cozinha Comunitária, vamos arrumar as ruas da cidade... Quem está andando nas ruas e conversando com a população pode sentir o que estou sentindo, ou seja, o povo está descontente com esse governo”. Falou e disse. Não podemos deixar de citar que o desgoverno passado faz parte desta conta, mas chegou a hora do Cavani exigir mais de alguns secretários que fingem que trabalham e nós fingimos que acreditamos.

Caixa preta

Sobre a compra de tubos, Toni do Cofesa (PSDB) cobrou responsabilidade e pediu prudência aos colegas quando o assunto é o ritmo dos trabalhos da Prefeitura. “Eu não quero falar sobre gestão anterior, mas é só verificar quantas máquinas o município conta atualmente. O grande problema é que é fácil vir aqui (na Tribuna), vender ilusão e prometer aquilo que não se pode cumprir”. Fica aqui a nossa sugestão ao líder: abra a caixa preta do governo anterior para que a população possa saber o tamanho do estrago que foi deixado. Ou não tem estrago? Quando se assume um governo ganha-se o ônus e o bônus. Se não deixaram nada de errado...

Sombra

Outro que manifestou preocupação com o aumento dos gastos é o vereador Margarido (PV). “É importante destacar que o município já tem um grande ônus que é o transporte público. A Jundiá já leva R$ 600 mil por mês e se a gente for ver o que vai ser destinado ao aterro, além dos R$ 700 mil, pode pôr mais R$ 400 mil. Então é R$ 1 milhão que vai para cuidar do aterro e transporte”. Seria tão bom que os vereadores dissessem, de fato, aquilo que desconfiam que movimenta essa terceirização do aterro sanitário. Mas acho que nunca vamos saber... um vereador que nunca fez um projeto durante sua longa passagem pela Casa de Leis não muito o que falar e sim ouvir e ficar quieto.

Quase lá

E continua o vereador: “O secretário Marco André já deixou claro que pode sim (no projeto de terceirização) ser incluída a coleta de lixo. Daí a coisa vai para o brejo”. Itapeva já passou pela experiência de ter o serviço de coleta de lixo terceirizada na década de 90 e isso fez mal para nossa cidade. Não podemos permitir outra Tejofran cuidando da retirada do nosso lixo. Vamos valorizar o trabalho dos coletores, isso sim! Nisso concordamos totalmente.

Mea culpa

Sobre a terceirização do aterro, Laércio Lopes (PMDB) fez um mea culpa dizendo que nenhum governo, inclusive o anterior, onde ele foi secretário de Planeamento não fez nada para suprir as demandas apontadas pelas Cetesb ao longo de duas décadas. “Eu vejo que se o município tivesse tido condições de gerir, o aterro não estava naquela bagunça que ficou durante vinte anos, onde diversos gestores passaram e nenhum tomou as providências, mesmo com todas as indicações que a Cetesb fez”. A honestidade do vereador é digna de elogios, mas merece um puxão de orelhas por ter permitido que o fato ocorresse.

Ótima notícia

O município de Itapeva foi contemplado com uma emenda do deputado federal Antônio Goulart (PSD), no valor de R$ 350 mil, que será destinada para a construção de uma indústria de processamento de extrato de tomate. A destinação da emenda atende a um requerimento encaminhado pelo vereador Dr. Pedro Correa (PSD) no início deste ano. “Essa indústria trará mais empregos e irá gerar renda para muitas famílias da nossa região”, disse o vereador. E a pergunta: onde estão aqueles que receberam milhares de votos em Itapeva. O Deputado Goulart teve apenas 1 voto em nossa cidade. Esse merece respeito.

Cortes

Outro tema importante levantado pelo vereador Pedro Correa se refere aos cortes de água e luz realizados nos finais de semana pelas empresas terceirizadas que prestam serviços para a Elektro e a Sabesp. “Isso traz enormes dificuldades para os munícipes, uma vez que os cortes vêm sendo realizados sem aviso prévio. E quando isso acontece na sexta-feira, muitas famílias só chegam em casa no final do dia e sabemos que no sábado não há expediente bancário”. A cobrança é pertinente e precisa com que a empreiteira respeite o usuário.

Falou tudo!

Ao usar a Tribuna a vereadora Débora Marcondes(PSDB) questionou a falta de legislar na Câmara, de discussão sobre alguns projetos. “Quando vim para essa Casa de Leis eu tinha certeza que ia discutir projetos, que ia argumentar e legislar que é a principal função do vereador e não vejo essa discussão aqui, eu vejo muito tapa buraco e isso é função do executivo conservar a cidade, acho uma falta de respeito muito grande a população que está assistindo igual foi a sessão passada, a gente parar uma sessão e ir discutir fora, com portas fechadas, se a comissão no regimento interno é aberta para todos, e ai a gente discute lá e depois vem aqui com o povo sem entender porque parou a sessão, sem saber o que foi discutido, o que foi aprovado e acho o que o vereador relata em uma comissão deve relatar aqui também, pois fomos eleitos pelo povo, dar transparência ao povo e quando tiver uma sessão que tenha que seja parada, que seja aberta a discussão, seja filmada, gravada e que todos defendam sua posição para todo mundo”. Difícil vai ser os vereadores falarem as claras, a maioria segue a linha faça o que eu falo, não faça o que eu faço! A covardia e impera em alguns que só falam ou ameaçam nos bastidores e os novatos devem sim cobrar como fez com muita coragem a vereadora.

Só na campanha

Mais uma vez a sensação de descaso dos vereadores com assuntos importantes a Itapeva se fez presente em um evento, ao serem convidados para visitar a região onde pretende-se criar o Parque dos Cânions, apenas três dos quinze vereadores compareceram a visita. Débora Marcondes, Edvaldo Negão e Oziel Pires foram os que estiveram presentes. Ao que parece preocupação com Meio Ambiente só é lembrado em época de eleição. Vocês duvidam?

Estrutura

Caso o Parque dos Cânions seja criado, o município está preparado para dar a estrutura necessária, como por exemplo a capacitação da população ao redor para atender a demanda de visitantes, quem sabe até de estrangeiros? Já há de ter um plano traçado nesse sentido, para que além do Meio Ambiente a economia do município também se torne “saudável”. A infraestrutura será o grande problema para que possamos trazer visitantes que deixem dinheiro para fortalecer o turismo. Tudo deve ter um início...

Faltando um ano...

Nesta semana o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou obras de melhoria nas rodovias da região, entre elas a Rodovia Eduardo Saigh no trecho que liga Itapeva a Itaberá. Uma excelente notícia, mas que leva a refletirmos porque só agora faltando pouco mais de um ano para as eleições que a região volta a ser lembrada pelo Estado? Espero que as melhorias sejam relevantes e não apenas capinar o mato na beira do pior trecho desta importante rodovia.

  • Pacto Conciliação
  • Cofesa Loja 6

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook