Aposentados

Viva o Rodrigo Tassinari que com sua emenda deu de 14 x 0 no prefeito que queria tirar o direito de andar gratuitamente de ônibus daqueles que escreveram a história do município.

Pergunta

Responda para a gente prefeito Cavani quanto foi dado para a Jundiá de subsídios este ano e por que o senhor trouxe esta empresa para Itapeva. A resposta seria oportuna para podermos avaliar se não chegou a hora de criarmos uma frota própria no município gerando empregos entre os próprios funcionários municipais o que diminuiria em muito o custo da Prefeitura. Solução tem, não basta apenas querer aumentar impostos.

Pilão

Abandonada a nossa única fonte de agua pelo poder público viu-se no último final de semana um incêndio acabar com parte da mata na área de entrada de um local que deveria ser uma grande fonte de lazer para a nossa gente, mas como nossos mandatários não passam o final de semana aqui, deixe que pegue fogo. O povo, ora o povo... o local é de responsabilidade do Oller que tem a Guarda Municipal vigiando (?).

Fim do mundo
Não falta mais nada. Depois de sofrer uma derrota estrondosa na votação da emenda no projeto sobre o transporte coletivo, o Executivo veio com uma proposta ainda mais insana propondo a correção da tabela do IPTU em até 70%. Baixou para 30 e 10% mostrando que o projeto não foi estudado e sim colocado para ver o que dava. Graças a interferência de 10 vereadores este projeto também foi retirado mostrando que nem todos são marionetes do prefeito. Governar com dinheiro é fácil, mas sem, precisa ter grupo, bons secretários e competência.

Blá, blá, blá
Eis o argumento usado pelo Executivo para justificar o aumento no IPTU. “É sabido que uma reavaliação para correção em único exercício é causa de grande impacto diante de uma inércia de 20 anos do Poder Público, contudo, faz-se necessário dar início a trabalhos com prioridades definidas à curto, médio e longo prazo, visando o planejamento do crescimento do Município e a justiça tributária, exercida coercitivamente pelo Gestor Municipal”. Inércia de quem senão do próprio atual prefeito que, durante os 20 anos citados, passou quase a metade desse tempo administrando a cidade e não foi capaz de estabelecer uma política continuada de reajuste do IPTU. Será que nos dois mandatos anteriores aumentar o IPTU não seria um tiro no próprio pé?

Mãos à obra
A partir de agora, a vigilância da comunidade itapevense será fundamental para barrar esses absurdos. O resultado da votação do projeto contra os idosos mostrou que a mobilização faz toda a diferença. Neste processo temos que louvar o vereador Rodrigo Tassinari que mesmos obre pressão sustentou sua emenda e manteve os benefícios conquistados pelos aposentados. Brilhante.

Vem mais por aí
A Prefeitura nem bem se recuperou da derrota e já se prepara para outro embate, desta vez envolvendo mudanças no setor de transportes de alunos da rede municipal. O projeto, de autoria do Executivo, prevê que a partir de 2018 esse serviço também poderá ser feito por grandes empresas, o que vem tirando o sono dos cerca de 355 perueiros que atuam no setor atualmente. Trata-se, portanto, de mais uma ideia genial dos pensadores do atual governo. Mas será que agem por conta própria ou estão a serviço das empresas do setor. No mínimo a Prefeitura parece desconhecer que em muitos bairros da zona rural nem a perua desce quem dirá os ônibus
. A Jundiá com certeza entrará nas linhas boas deixando o “resto” para os perueiros. Uma vergonha. Essa empresa parece que tem mel, a cada governo cresce mais o seu poderio, por quê?

Não para
E não pense que acabou, pois vem mais por aí. Há outro projeto sendo discutido na Câmara, onde o Executivo propõe elevar o valor das taxas que são cobradas de empresários, comerciantes e vendedores ambulantes que trabalham no município. No caso dos supermercados, o valor do reajuste chega a 210%. O que será que o vereador Toni do Cofesa (PSDB) pensa sobre esse malfadado projeto? O COFESA poderá pagar 10 mil reais. Será que o patrão vai gostar?

Mais tempo
Alguns vereadores já manifestaram que vão votar contra esse projeto caso o Executivo não conceda tempo maior para discussão e reveja os valores. Preocupado com o efeito da sobretaxa no comércio, Jé (PMDB) sugeriu envolver outros segmentos no debate.
“Precisamos convidar os representantes da ACIAI e do SINCOMÉRCIO para que exponham suas ideias em uma audiência pública. No mais, eu quero saber qual foi o critério usado pelo Executivo para propor um aumento de mais de 200%, especialmente neste momento de crise econômica sabendo que o comércio é o principal gerador de empregos no município”. Esse é o verdadeiro trabalho de um vereador que vota em favor daqueles que geram os poucos empregos que existem no município.

Clima quente
Com mais de 2h30 min de duração, a sessão que discutiu mudanças no transporte público teve até trocas de farpas entre os nobres colegas. Margarido (PP) chegou a apelar se Tião do Táxi (PR) tinha consciência do projeto “infame” que estava sendo votado. Em outro momento, no final da sessão, Vanessa Guari (PMDB) ocupou a Tribuna para reclamar da colega Débora Marcondes (PSDB), que em suas palavras, é conhecida por apropriar-se de proposituras de outros vereadores como se fossem suas. Já passou da hora da vereadora Debora caminhar com suas próprias pernas. O confronto com os demais é desnecessário e inoportuno.

Clima quente II
Eis o que disse a vereadora Vanessa.
“Como a vereadora Débora não permitiu aparte e não permaneceu no Plenário para me ouvir, muito me admira ter gente que aparece aqui para defender os direitos dos idosos depois de o projeto ter sido votado. Até agora era todo mundo contra a emenda, mas como veio ordem do Executivo todo mundo passou a ser a favor. E muito me admira a falta de respeito de vocês, familiares”. O respeito exigido pela vereadora Vanessa é mais do que justificado já que um princípio de vaia foi ouvido no momento em que ela discursava da Tribuna. Essa nobre vereadora nos surpreende a cada sessão com colocações nobres e pertinentes.

Solitária
Essa disputa entre as duas vereadoras não vem de agora e começou quando Vanessa não concordou com alguns encaminhamentos da Comissão de Direitos Humanos e decidiu se retirar, assim como fizeram outros vereadores. Na página oficial da Câmara aparece apenas o nome da vereadora Débora como membro da referida comissão. O que houve com os demais membros indicados pelo PSDB? A união do partido só acontece quando é para “bajular” o prefeito?

Teoria e prática
Laércio Lopes (PMDB) sobre o projeto da passagem gratuita aos idosos.
“Ainda não consegui entender a iniciativa do Executivo nas entrelinhas porque, a princípio, a intenção era mexer apenas na idade e de repente o Executivo vem aqui e fala: olha gente, não precisamos mexer com os direitos dos idosos, aprovem tudo. Ora, então para quê mandar esse projeto? Não era mais fácil simplesmente retirá-lo da pauta?”. A colocação do vereador é perfeita, já que o Executivo só pensa ultimamente em arrecadar dinheiro, enquanto a cidade está abandonada.

Desabafo

Na reunião com o secretário Luciano Oliveira na Câmara, a vereadora Vanessa Guari, tomada de emoção e solidária à causa dos aposentados, foi direto ao ponto: “Não consigo entender o porquê desse projeto, sinceramente”. Depois do resultado da votação, todos os envolvidos se deram conta de que passaram semanas discutindo o nada, desperdiçando papel, caneta, água, café e energia para chegar a lugar nenhum. Ou seja, o Oller não acerta uma. Fazer compras ele faz bem.

Ele voltou
Tião do Táxi (PR) bem que tentou se explicar dizendo que foi mal interpretado na discussão sobre a passagem
. “Voltamos à discussão do projeto polêmico. Aqui o Executivo apresentou projeto de lei que não previa tirar o direito dos aposentados e idosos, o governo apenas previa que a partir da publicação dessa lei todos os idosos que fizessem 60 anos ficariam de fora do benefício”. Ora, se isso não é tirar direitos então é o que? Te enfiaram em uma barca furada, Tião. Tenha a dignidade de ao menos assumir que foi induzido ao erro. Quem é o presidente do seu partido mesmo? Onde está o Oller?

Instituto Federal
Insatisfeito com a demora da construção do campus do Instituto Técnico Federal de Itapeva, Dr. Pedro Correa (PSD) enviou requerimento solicitando informações ao MEC sobre o prazo para a retomada dos serviços. A obra chegou a ser iniciada no final de 2013, mas foi paralisada depois que a empresa responsável rescindiu o contrato ao decretar falência de seus negócios. Esta é uma obra que precisa ser retomada o quanto antes para impulsionar o desenvolvimento local, à exemplo do que aconteceu com a nossa cidade quando a FAIT veio para cá. Uma conquista que deve ser abraçada por todos.

O retorno

Depois de quase 9 meses ausente o assessor parlamentar “Zequinha” está de volta e desta vez para assessorar o vereador Fuzilo. Uma boa conquista para o novo chefe.

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook