Desafio
Organizar o trânsito no centro urbano é uma das tarefas mais difíceis de serem realizadas em qualquer gestão. O crescimento da frota de veículos, associado à falta de planejamento no passado, fez com que Itapeva alcançasse picos de congestionamentos próximos ao registrado em cidades com maior número de habitantes, especialmente aos sábados e em horários próximos ao fim do expediente bancário. Precisamos enfrentar esse desafio não com soluções mágicas, mas com projetos estratégicos pensados para o futuro. E a hora de começar é agora.

Acerto
A gestão passada perdeu uma grande oportunidade de planejar a cidade para as próximas décadas e a atual parece não ter essa disposição. Contudo, é preciso destacar os esforços do Departamento Municipal de Trânsito na busca de soluções para o trafego de veículos na área central. A ampliação das vagas da Zona Azul, o aumento da rotatividade e a punição aos motoristas que descumprem as leis são ações que vem trazendo resultados positivos. Mas convêm lembrar que isso é um processo e não tem nada a ver com o atual secretário da pasta. A tarefa é urgentíssima e necessária e não existem desculpas para atrasar ainda mais esse trabalho que beneficiará a todos nós.

Frota
Outra questão que precisa ser urgentemente discutida é a deficiência do transporte público que deixa muito a desejar. O alto custo da passagem diminui o interesse por esse tipo de serviço. Além disso, sobram reclamações de que as rotas estabelecidas pela empresa não são as mais adequadas e que os itinerários, de um bairro ao outro, elevam o tempo de chegada ao destino final, daí a opção pelo carro. Segundo o Demutran, o município possui uma frota de quase 33 mil veículos, 15 mil motos e 9.629 caminhões e caminhonetes. É um número considerável. E para facilitar o dia a dia de nossa gente, que tal instalar o UBER em nossa Cidade? Só teremos um vereador e a Jundiá contra.

Mais vagas 
Ainda sobre a questão envolvendo o trânsito, a vereadora Débora Marcondes (PSDB) apresentou requerimento sugerindo que o Comutran coloque placas indicativas para vagas de estacionamento exclusivo destinado às pessoas que utilizam os serviços do Espaço Cidadão. O problema é garantir a fiscalização, pois muitos já fazem uso dessas vagas sem ao menos visitar aquela repartição pública. E isso não é um fato exclusivo do Espaço Cidadão. Educação no trânsito só através de multas. O brasileiro faz questão de contrariar as leis e depois ir reclamar na porta da prefeitura.

Paternidade

A vereadora Débora, aliás, requereu para si a paternidade de uma solicitação feita ao Executivo sugerindo a volta da Caravana da Saúde, quando equipes da Secretaria de Saúde vão até os bairros oferecer atendimento gratuito aos moradores. O problema é que o vereador Jé (PMDB) também publicou que ele é o autor do pedido para a volta da Caravana. A primeira ação acontece neste sábado (9) na Agrovila 1, zona rural do município. O importante é que ambos estão preocupados com a melhoria da saúde para o povo.

Reforma
A demora para o início da reforma da escola municipal José Sebastião Herrera, no Alto do Brancal, fez com que o vereador Wilson Roberto Margarido (PP) encaminhasse novo requerimento à prefeitura solicitando informações sobre o prazo para o anúncio da obra. A pressa se justifica. Essa é uma das escolas que sofrerão os impactos da reorganização do ensino do ano que vem, quando a unidade escolar passará a receber todos os alunos matriculados na escola Sérgio Motta, que funciona ao lado. Uma situação completa a outra.

Reforma II

No requerimento, Margarido pede que o prefeito informe a data prevista para início da readequação da escola, que deve estar preparada para a fusão. “Ressaltamos que o prédio foi construído para receber alunos da educação infantil e, já no ano de 2018, serão inclusos os alunos da educação fundamental II, ou seja, com os alunos maiores. Portanto as obras de readaptação dos banheiros, aumento na copa, cobertura no local de refeição se fazem necessárias, além do pátio que se encontra pequeno para atender a demanda que aumentou devido às mudanças da Secretaria Municipal da Educação”. O que mais me preocupa é a pressa com que a reorganização do ensino está sendo executada. Esse será um grande teste para o secretário Andrei Müzel, até aqui uma das melhores escolhas do prefeito Luiz Cavani. O secretário foi o único que teve a coragem de executar o que era necessário. Todos que passaram por lá se preocuparam em criar cargos e Andrei tenta dar novos e bons rumos a Educação.

E o Oziel?
A respeito das mudanças na educação, o ex-vereador Célio Cavaco deixou o recado: “
Em um município que tem orçamento de mais de 250 milhões isso não pode acontecer. Oziel Pires e vereadores, realmente isso está acontecendo?”. O mais engraçado é que até agora o que se ouviu do presidente da Câmara sobre a reorganização do ensino foi a lacônica frase: “Estou mais preocupado com a qualidade do que com a quantidade”. Só faltou ter a coragem de dizer isso pessoalmente aos pais de alunos e professores. Nunca dirá, é claro.

Pergunta
O que pensa o vereador Márcio Supervisor (PSDB) sobre as mudanças na educação? O silêncio do vereador é ensurdecedor. E não pensem que ele não será cobrado por esse silêncio. Ele, que está pouco se preocupando com isso e com certeza não será candidato a reeleição, entrará mudo e sairá calado.

Homenagem

Ainda repercute a ausência de autoridades na quarta edição da Mostra de Ginástica Rítmica, que foi realizada no domingo (26), na CCE. O sumiço especialmente do secretário de Esportes e Ação Social, Luciano Oliveira, foi muito criticada por pais que representam mais de 80 meninas e meninos que integram o projeto sem fins lucrativos. O sucesso do evento levou o vereador Jé a pedir para que seja aprovado Voto de Congratulações à professora Regina Leite, organizadora da Mostra. A homenagem é muito merecida e é uma pena que evento como este não seja prestigiado. Depois reclamam quando a imprensa critica. O tal super secretário é a maior mentira do atual governo.

Tem mais

Na tentativa de imitar o Franson, o secretário que acha que faz tudo e nada resolve mandou lavar o Calçadão e disse: “Estamos reconstruindo Itapeva”. Se é para lavar roupa suja, todo cuidado é pouco.

Internet
O vereador Edivaldo Negão (PSD) apresentou requerimento ao Executivo em que solicita informações sobre a data para implantação de torre de telefonia móvel para beneficiar os moradores da Caputera e outros quatro bairros da zona rural. Lembro que esse é um pedido antigo que foi apresentado há mais de quatro anos, mas, infelizmente, a distância desses bairros da área de cobertura de internet móvel impede que o usuário possa contar com um serviço de qualidade. Se até aqui na cidade algumas localidades sofrem com a péssima qualidade do sinal, quem dirá a zona rural. Vale pela luta.

Calçadão
Trabalhando sem grande alarde, nesta semana a vereadora Wiliana Souza (PR) voltou a sugerir a implantação de mais dois calçadões na cidade, sendo um na rua Geraldo Alckmin, entre Casas Bahia e o Center Auto Posto, e outro na rua Santos Dumont, entre o AME e o Espaço de Convivência. Não se pode negar que essas duas áreas concentram um grade fluxo de pessoas diariamente. Além disso, não podemos negar também que o Calçadão embeleza a cidade, a exemplo do Calçadão Dr. Pinheiro, um dos principais cartões postais da cidade, legado do ex-prefeito Wilmar Mattos. Ótima ideia.

A roda girou
Engana-se quem acha que o cenário eleitoral na região está deitado em berço esplendido, muito ao contrário, a movimentação já começou e será intensificada até o final de dezembro. A filiação de João Fadel ao Podemos, do senador Álvaro Dias, é um claro sinal de que ele se movimenta como pré-candidato a deputado estadual. E Fadel não deve ser menosprezado. Testado nas urnas, o empresário itaraeense obteve um total 37.548 votos para deputado federal pelo Solidariedade.

Números
Só em itararé, Fadel conseguiu mais de 18 mil votos em 2014, o que representa a metade votos da cidade, que na época tinha 37.076 eleitores.  No mesmo ano, Dr. Ulysses obteve 26.006 votos em Itapeva, sua cidade natal, de um total de 52.911 eleitores que foram às urnas naquele ano.

E por aqui?
Em Itapeva, a movimentação rumo à Assembleia Legislativa não se dá somente em torno da previsível candidatura de Dr. Ulysses à reeleição. As atenções também estão voltadas para a possível candidatura do vice-prefeito Mário Tassinari (DEM) a deputado federal e a do vereador Jé, que já manifestou interesse em trocar o PMDB pelo PP em março, quando será aberto o prazo para que pré-candidatos possam trocar de partido. A disputa pelo voto de Cavani deve ser intensa.

Impasse      
Convém lembrar que as arestas entre a família Cavani e os Tassinari ainda não foram devidamente aparadas depois que o projeto do vereador Rodrigo (DEM), filho do Dr. Ulysses, foi derrotado em plenário a pedido do prefeito. Para quem não lembra, tal projeto do vereador exigia que a lista de pacientes que aguardam procedimentos médicos na fila do SUS fosse pública. Mas nada que um requintado almoço regado a bom vinho não resolva. Mas, quando se falar em eleição com certeza o tom será outro e enfrentar o Dr. Ulysses nas urnas como deputado estadual é para poucos. O homem é a grande força da região.

 

 

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook