aponsetadoria IPMI 945Após 35 anos de serviço público, Agnes Unterkircher Camargo aposentou-se como escriturária na Garagem da Prefeitura de Itapeva, onde funcionam as Secretarias de Transportes e Serviços Rurais e Administrações Regionais. Depois de passar por alguns setores da administração municipal, ela encerrou sua carreira organizando os arquivos e informatizando o funcionamento da Garagem Municipal. “Na verdade, foi um desafio para mim, mas adorei trabalhar lá, fiz muitas amizades e vou guardar ótimas lembranças de todo o pessoal”, conta Agnes lembrando que até um pequeno refeitório ela ajudou a executar para que as pessoas tivessem um local adequado e agradável para fazer suas refeições.

Mas vamos voltar lá no início, em maio de 1982 quando ela, no cargo de escriturária, começou a trabalhar em Taquarivaí, na Escola Professora Célia Vasques Ferrari Duch, com o diretor Mauro Albano auxiliando também no Colégio Agrícola, cuja diretora era a irmã dele, Edna Albano. Naquela época, Taquarivaí ainda era Distrito de Itapeva e “lá adquiri uma grande experiência com eles e também com Hernani Vieira da Cruz e Eva Aparecida”, lembra Agnes.

Em 1990 veio para o setor de contabilidade da Prefeitura Municipal onde permaneceu por 15 anos. “Foi um período muito bom, pois conseguimos informatizar os serviços prestados pela Prefeitura de Itapeva e fomos considerados pioneiros nesse quesito”.

No ano seguinte, casou-se com André Luiz de Camargo e em 1992 nasceu sua filha Fabiana que hoje é farmacêutica. Foram seus pais Eduardo Unterkircher e Agnes ReinboldUnterkircher que a ajudaram a cuidar da filha para que ela pudesse trabalhar, fato que ela agradece muito.

Em 2005 foi para o setor de compras da Administração Municipal e lá ficou por 8 anos trabalhando com seu Ismael e com Douglas. Em 2014, Agnes foi para a Garagem onde ficou até a concessão de sua aposentadoria.

O que ela pretende fazer com seu tempo livre? “Viajar com meu esposo e continuar meu trabalho voluntário ajudando pessoas carentes e necessitadas”, finaliza ela acrescentando que vai sentir falta dos grandes amigos que fez durante sua vida profissional.

Após 28 anos como motorista, Toninho Oliveira se aposenta na data de seu aniversário

Antonio Vieira de Oliveira recebeu a boa notícia de que sua aposentadoria havia saído exatamente no dia do seu aniversário. “Só falta o Fabrício me ligar hoje”, pensou ele. Dito e feito!  Após 28 anos como motorista da Prefeitura, no dia 26 de maio de 2017 ele foi chamado ao IPMI para assinar os papéis de sua aposentadoria.

Dos 14 aos 18 anos ajudou seus pais, João Leite de Oliveira e Aparecida Vieira de Oliveira na loja de roupas que eles mantinham em Itaberá, cidade onde nasceu. Depois disso trabalhou como taxista por alguns anos e, em seguida, como motorista de caminhão. Nessa época transportava grãos produzidos em nossa região para São Paulo e, na entressafra, fazia frete de carga seca para todo o país. “Não posso dizer que conheço tudo, mas andei por uma grande parte do Brasil e fiz também uma viagem para a Bolívia”, lembra ele.

Em 1989 passou no concurso de motorista da Prefeitura e assumiu o cargo na Secretaria da Saúde onde permaneceu por 19 anos, transportando pacientes de ônibus e de van para São Paulo, Sorocaba, Jaú, Botucatu, Marília, Campos do Jordão e São José do Rio Preto. “Nunca recebi nenhuma reclamação dos pacientes, ao contrário, pois, sabendo da situação em que se encontravam, eu procurava tratá-los com carinho e atenção”. Além disso, ele fazia questão de manter o veículo higienizado de uma viagem para a outra, para que todos tivessem o mínimo de conforto e segurança. No ano de 2004 foi transferido da Secretaria da Saúde para o Gabinete e passou a atender ao Prefeito e aos Secretários.

Seu Toninho lembra de uma ocasião em que foi levar um paciente ao hospital A C Camargo, em São Paulo. Chegaram lá às 6 da manhã e às 13h30 ele ainda não havia sido atendido. “Não me conformei, pois ele estava em jejum desde que saímos de Itapeva, às 3 horas da manhã. No caminho para a direção do hospital fui alcançado por um vigia me informando que o paciente estava sendo atendido. Essa é minha maneira de ajudar. Não fiz confusão, não briguei com ninguém, apenas exerci meu papel de cidadão”, explica ele.

Casado com Maria Inês Lisboa Oliveira há 41 anos, tem 3 filhos – Marco, Fernando e Bruno que lhes deram cinco netas e um neto – Beatriz, Yasmim, Isadora, Lorenza, Lorena e Enzo. “Eles são o meu xodó, quero aproveitar minha aposentadoria para ficar mais tempo com eles e com minha família”, comenta o agora diácono da Igreja Quadrangular 13ª São Camilo. “Deus tem um propósito para minha vida: ajudar o próximo”, finaliza seu Toninho muito feliz com seu presente de aniversário.

Após 26 anos de serviço público, Maria Inês se aposenta e vai se dedicar ao artesanato e aos netos

Maria Inês Lisboa Oliveira, filha de Sebastião Lisboa dos Santos e Luzia Macedo Lisboa nasceu em Itaberá em 20 de novembro de 1954. Casada com Antonio Vieira de Oliveira, tem com ele os filhos Marco, Fernando e Bruno que lhes deram cinco netas: Beatriz, Yasmim, Isadora, Lorenza, Lorena e o menino Enzo.

Prestou concurso público para auxiliar de serviços gerais em 1992 e passou em 3º lugar, assumindo como merendeira na Creche Acementinha. Em 1993 foi transferida para a Creche Profa. Gláucia de Melo Santos Pontes onde permaneceu por vários anos até prestar novamente concurso, desta vez para auxiliar de serviços da secretaria da Saúde. “Eram 400 inscritos e passei em 53º lugar, fui chamada e assumi na Creche João e Maria que servia aos filhos de funcionários da Secretaria da Saúde. Em certa ocasião a diretora do Núcleo de Saúde, dona Elenice, me pediu para ficar com uma sala de aula, pois a professora havia faltada e gostei demais”, lembra ela acrescentando que a partir de então tornou-se volante e ajudava em todas as salas.

Em certa ocasião ela estava cuidando de uma sala logo após o almoço, quando as crianças dormiam e percebeu que uma delas começou a se bater demais, de uma maneira estranha. Maria Inês foi até a criança que ardia em febre. “Corri chamar a diretora para que a criança fosse atendida; tínhamos que ficar atentas pois lidávamos com crianças pequenas, que mal sabiam falar e não conseguiam dizer o que estavam sentindo”, conta ela

Maria Inês aposentou-se no dia 26 de maio deste ano no cargo de serviços gerais da EMEI Liliane Angélica Leonel Moreira, com 26 anos de serviço público. Coincidentemente no mesmo dia do marido, seu Toninho que, aliás, estava fazendo aniversário exatamente nesta data.

“Agradeço muito à minha sogra que era mais do que uma mãe para mim e me ajudou muito ficando com  meus filhos para que eu pudesse trabalhar”, registra a servidora pública que, agora, com a aposentadoria, pretende ficar mais com seus netos, cuidar da sua lojinha de artesanato e passear bastante.

  • Pacto Conciliação
  • Cofesa Loja 6

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook