farmacia municipal 966Além da ausência de medicamentos de auto custo e na demora de até 15 dias para a entrega, pacientes que precisam de tratamentos em hospitais de outras cidades reclamam da precariedade do transporte feito pelas vans disponibilizadas pela Prefeitura

A aposentada Maria José Oliveira de 62 anos, moradora da Vila Nova faz tratamento de algumas doenças crônicas que possui no estômago, intestino, osteoporose e depressão profunda há alguns anos. Segundo Maria José até certo período a mesma comprava os medicamentos dos quais precisava para os tratamentos, porém após passar por dificuldades financeiras, não mais conseguiu comprar os medicamentos, por serem de alto custo.

A aposentada foi então encaminhada à assistência social pelo médico do SUS, iniciando aí sua difícil jornada em busca de seus direitos, e com a ajuda de um advogado, conseguiu na justiça a concessão do benefício. Ainda segundo Maria José, ultimamente durante a nova gestão municipal, ela tem esperado por cerca de 15 dias ou mais para conseguir as medicações, e por conta da gravidade de suas doenças, não pode passar muitos dias sem tomá-las, prejudicando seu tratamento, pois não vem tomando regularmente os remédios, o que complica ainda mais seu quadro de saúde.

Outro problema apontado por Dona Maria José é o desaparecimento da receita médica depois de entregue na farmácia municipal, o que também prejudica o recebimento dos medicamentos naquele mês, e por não possuir condições financeiras para comprar, fica sem tomar as medicações durante dias.

Uma solução que a aposentada vem tomando é se deslocar até a cidade de São Paulo em busca dos remédios quando não os encontra aqui na farmácia do município, o que acarreta ainda mais problemas à usuária do SUS, pois já por algumas vezes ela reclama ter sido deixada em São Paulo pelo motorista da van que transporta os pacientes atendidos pela assistência social do município de Itapeva, havendo vezes em que o motorista voltou para buscá-la, e em uma outra ocasião, tendo que voltar para Itapeva com o dinheiro dado pela assistência social daquela cidade, só sendo conseguido depois de muito reclamar, “eu moro sozinha, pago aluguel, estou passando por essas dificuldades e já não aguento mais essa situação, por isso peço ajuda através desse meio de comunicação, espero o atendimento melhore, tanto para mim quanto para os outros pacientes que precisam da farmácia popular e do transporte para exames e tratamentos em outras cidades pela assistência social”, reivindica Maria José.

Outro lado

Em nota, a Prefeitura Municipal de Itapeva informou que com objetivo de melhorar ainda mais o serviço prestado à população, a Secretaria de Saúde realiza uma série de investimentos na Farmácia Municipal. Além disso, uma nova licitação para a compra de remédios já está aprovada, o que irá gerar mais economia para os cofres públicos, sanando a questão da falta de medicamentos.

Sobre o transporte dos pacientes a Prefeitura esclarece que está disponibilizando representantes da central reguladora de vagas para fiscalizar o embarque e horários das vans.

Capa da última edição

capa IN

Curta-nos no Facebook